Alexandre, possivelmente por Apeles

Alexandre, possivelmente por Apeles
A natureza polêmica e controvertida da filosofia cética ao longo da história da filosofia é, ao menos em parte, resultado da ambiguidade e imprecisão com que esse termo é continuamente mobilizado. Já Sexto Empírico, médico e filósofo do início da era cristã, principal fonte do ceticismo pirrônico hoje restante, insiste no modo como as usuais “refutações” da filosofia cética baseiam-se numa compreensão precária do que eles disseram. Se a sua retomada no período do Renascimento, como diz Richard Popkin, contribuiu decisivamente para a gestação da assim chamada filosofia moderna, as controvérsias e mal-entendidos apenas se multiplicaram. Não apenas filósofos explicitamente simpáticos ao ceticismo – como Montaigne, Gassendi, Bayle e Hume – o reconstruíram de modos singulares e diversos, como diversos daqueles que pretenderam refutá-lo – como Berkeley ou Kant – são tributários dessa filosofia num grau que por vezes eles mesmos parecem não ter reconhecido integralmente, o que é seguramente muito mais verdadeiro a respeito das leituras usuais dessas filosofias. O objetivo do grupo “Questões sobre a História do Ceticismo” é o de formar e integrar pesquisadores interessados no exame dos contornos problemáticos e desconhecidos da “tradição cética” e de suas consequências. Isso abrange tanto o estudo das diversas versões de ceticismo historicamente dadas, em diversos de seus aspectos: epistemológicos, científicos, morais, políticos e literários, e mesmo a maneira como problematiza radicalmente a própria natureza da filosofia, como suas repercussões diversas ao longo da história da filosofia, inclusive e sobretudo na rejeição do ceticismo.

domingo, 19 de dezembro de 2010

Jornada sobre a Fecundidade dos Academica na História do Ceticismo

Organizado pelos profs. Sylvia Giocanti e Emmanuel Naya, na Universidade de Toulouse, em 07/01/2011

Retomada das atividades

Apenas para relembrar: nossos encontros serão retomados no dia 03 de fevereiro, às 14h15. Boas férias e boas festas para todos.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Seminário dos Academica

Na próxima quinta-feira, dia 02 de dezembro, a partir das 14h15 o Roberson dará prosseguimento a nosso seminário, expondo a parte inicial da defesa do ceticismo acadêmico por Cícero. (XX-XXV, 64-82)

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

agora sim

Continuamos o nosso seminário amanhã, dia 24/11, a partir das 14h15. Apresentação, ainda, a cargo da Sarah.
Aproveito para informar o link de um novo livro do R. Fogelin sobre o ceticismo de Hume, postado pelo Eros Carvalho e disponível para download.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

próximo encontro

Caros tripulantes,
Nosso seminário sobre os Academica continua na próxima quinta, dia 11, às 14h00.  Avançamos com o seminário da Sarah, que vai até xix (63)... quem sabe até terminamos.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Próximo encontro

Alunos:  a continuação do nosso seminário sobre a crítica de Luculo à Filosofia Acadêmica ocorrerá, não no dia  28/10 próximo, mas no dia 4/11, às 14h00. Dentre outras razões, teremos uma reunião inadiável do Colegiado de Pós. Até lá...

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Remarcação e próximos encontros

Devido ao baixo comparecimento dos participantes e a um problema de voz da Sarah, não fizemos o encontro desta quinta. Este encontro foi remarcado para o dia 14 de outubro, às 14h00.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Encontro

Prezados, apenas para confirmar: o nosso próximo seminário está marcado para esta próxima quinta-feira, dia 30/09. Até lá...

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Cícero: Acadêmicos II, terceiro seminário

Aqui está o TEXTO para o terceiro seminário apresentado pela Sara nessa quinta-feira, e as respectivas NOTAS.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Cristianismo e fideísmo cético na Apologia - Eduardo Torquete

Hoje, 02 de setembro, às 14h30, Eduardo exporá a segunda parte de sua monografia.

sábado, 14 de agosto de 2010

Palestra sobre Pirronismo

O professor Diego Machuca, atualmente pesquisador do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (Buenos Aires, Argentina) e editor da revista Skeptical Studies (Brill), sobre o tema dará uma palestra sobre o tema
 
Pode o cético buscar a verdade?
 
A palestra abordará esse tema no pirronismo de Sexto Empírico, será ministrada em castelhano, e ocorrerá no dia 30 de agosto, segunda-feira, às 19h00, na sala 603 (Departamento de Filosofia, Ed. d. Pedro II, sexto andar).
 

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Aviso aos alunos do Mestrado (e demais interessados)

Eis aqui o endereço do blog onde ocorrerão postagens específicas para a Disciplina do Mestrado (sobre Ceticismo e Moral): http://luizevaufpr2.blogspot.com/

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Reinício das atividades

Nosso grupo retomará suas atividades no dia 19 de agosto, quinta-feira, às 14h00, com a apresentação da primeira parte da Monografia do Eduardo Torquete, sobre Ceticismo e Fideísmo. O Eduardo deve me enviar uma versão com algumas reformulações até amanhã, que será disponibilizada para os participantes do grupo.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Férias

Povo: as atividades do nosso grupo foram suspensas até a segunda semana de agosto, quando as retomaremos com a apresentação do Eduardo. Bom descanso (e/ou bom trabalho, até lá). Abraços.

sábado, 3 de julho de 2010

Hume entre o Ceticismo Acadêmico e o Pirronismo

A pedido da Nailane, um artigo da Lívia Guimarães (UFMG), publicado na Revista Kriterion, (93, jan-jul 1996).

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Calendário para o final do semestre

Eis os próximos encontros, tal como combinados no dia 10/06:
-- dia 24/06: conclusão da análise da apresentação da epistemologia do estoicismo (Luculo), por Nailane
-- dia 01/07: "Fideísmo em Montaigne - Parte I", Eduardo apresenta sua monografia
-- dia 08/07: "Fideísmo em Montaigne - Parte II", idem.
Retomaremos nossos trabalhos em 15 de agosto, com o seminário sobre a crítica de Luculo aos Acadêmicos, apresentada por Sarah.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Myles Burnyeat - Pode o cético viver seu ceticismo?

Eis o link para a tradução do artigo clássico de Myles Burnyeat. Juntamente com o artigo de Frede traduzido pelo Ariosvaldo e postado na Sképsis, e mais outro artigo do Barnes ("The Beliefs of a Pyrrhonist"), oferecem, em sua divergência, uma espécie de bibliografia essencial básica das interpretações fundamentais do pirronismo na literatura especializada. É interessante, ainda, comparar a interpretação deles com a de Porchat em "Sobre o que aparece", também publicado na Sképsis.

terça-feira, 18 de maio de 2010

AVISO

O professor Plínio Smith (Unifesp), autor de O ceticismo de Hume, dará uma palestra no Evento sobre Hume na quinta-feira, dia 20, às 15h00. Com isso, fica desmarcada a palestra da noite.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Tournon - Um testemunho em suspenso

Este artigo não é propriamente sobre ceticismo, mas toca lateralmente no assunto, ao analisar alguns ensaios de Montaigne mostrando como ele se apoiaria em um modelo judiciário, privando-se de sentenciar. Há uma análise que me pareceu interessante de II, 6. Escaneei para um amigo mas estou postando aqui porque pode ter interesse mais amplo para o Grupo.

sábado, 8 de maio de 2010

Carneades was no probabilist

Embora seja um texto difícil e a cópia esteja ruim de ler (trata-se de uma cópia da versão datilografada pelo autor), vai aqui um texto clássico do Myles Burnyeat em inglês, jamais publicado.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Leiam aqui a breve e interessante análise do R.J. Hankinson (The Sceptics, London and New York: Routledge, 1995) acerca da passagem dos Acadêmicos examinada no último encontro e daquela que seria a posição filosófica de Filo de Larissa. (Obs: para possibilitar o entendimento do texto, há uma anotação à margem da pg. 118, que ficou ilegível; trata-se das quatro exigências que definiriam uma "representação apreensiva" segundo o estóico Zenão: "Uma representação é apreensiva se e somente se (i) é causada pelo objeto real; (ii) representa acuradamente o objeto; (iii) é impressa nos sentidos; (iv) é de um tipo tal que não pode provir de algo inexistente."

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Estrutura argumentativa do Segundo Livro dos Academica (Lucullus)

1) Exórdio

 
1.1) Apresentação de Luculo (1-4)

1.2) Discussão sobre o decoro do estudo da filosofia. (5-7)

1.3) Defesa do ceticismo acadêmico contra o dogmatismo. (7-9)

 
2. Diálogo (Cícero, Catulo, Luculo e Hortênsio.)

2.1 Contextualização da doutrina que será exposta. (9-12)

2.2) Luculo: a nova academia subverte a história, pois os antigos eram dogmáticos

    2.2.1) A calúnia de Arcesilau (13-15)

    2.2.2) As atitudes de resposta à Nova Academia, o caso de Filo de Larissa. Estratégia que será adotada. (16-18)  

Transmissão e redescoberta de Sexto Empírico

Excertos do ótimo comentário (em inglês) de L. Floridi sobre a transmissão histórica das obras de Sexto da antiguidade ao Renascimento, culminando com um exame das fontes das citações de Montaigne no teto de sua biblioteca. Embora não seja exatamente um texto introdutório, pode servir como uma apresentação geral da relevância histórica de Sexto. Acompanha bibliografia.

terça-feira, 27 de abril de 2010

Linha do tempo (sujeita a revisão)

Notas ao texto espanhol

A pedido da Nailane, seguem aqui as notas do texto espanhol da edição de Julio Alvares Pimentel, referentes aos capítulos I a XII.

domingo, 11 de abril de 2010

"Lucullus", texto dos seminários I e II

Aqui vão os textos do primeiro seminário (novamente), a ocorrer no dia 15 de maio, e do segundo seminário (de VII a XII), a cargo da Nailane, para o dia 29 de maio. No dia 22 de maio, Ariosvaldo Küster apresenta a primeira parte da sua pesquisa sobre o problema da morte nos Ensaios de Montaigne. Sempre às 14h30.

terça-feira, 30 de março de 2010

Seminário do dia 01 de abril

Márcio prossegue na apresentação de sua monografia, parte 2 e conclusão.
Nova versão está sendo encaminhada por e-mail para vocês.